quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Happy new year!!!




Último dia do ano. Hora de parar e sopesar valores. Pensar no que estamos fazendo, e para onde vamos. Embora alguns visitantes do meu blog não leiam em português (Glion friends), nunca postei nada em inglês. Ontem, no orkut de uma amiga (e futura colega de trabalho), encontrei um texto lindíssimo do Bertrand Russell, que fala sobre objetivos da vida. Falei com ela da minha vontade de postá-lo aqui, como mensagem de final de ano, e ela me enviou a versão em inglês. Percebi que com a tradução perdeu-se muito. Então segue o primeiro texto em inglês no Jou Jou, seguido da tradução, em homenagem aos queridos amigos que não tem paciência para ficar traduzindo.

Um 2010 repleto de sorrisos a todos!!!

What I Have Lived For

Three passions, simple but overwhelmingly strong, have governed my life: the longing for love, the search for knowledge, and unbearable pity for the suffering of mankind. These passions, like great winds, have blown me hither and thither, in a wayward course, over a great ocean of anguish, reaching to the very verge of despair.

I have sought love, first, because it brings ecstasy - ecstasy so great that I would often have sacrificed all the rest of life for a few hours of this joy. I have sought it, next, because it relieves loneliness--that terrible loneliness in which one shivering consciousness looks over the rim of the world into the cold unfathomable lifeless abyss. I have sought it finally, because in the union of love I have seen, in a mystic miniature, the prefiguring vision of the heaven that saints and poets have imagined. This is what I sought, and though it might seem too good for human life, this is what--at last--I have found.

With equal passion I have sought knowledge. I have wished to understand the hearts of men. I have wished to know why the stars shine. And I have tried to apprehend the Pythagorean power by which number holds sway above the flux. A little of this, but not much, I have achieved.

Love and knowledge, so far as they were possible, led upward toward the heavens. But always pity brought me back to earth. Echoes of cries of pain reverberate in my heart. Children in famine, victims tortured by oppressors, helpless old people a burden to their sons, and the whole world of loneliness, poverty, and pain make a mockery of what human life should be. I long to alleviate this evil, but I cannot, and I too suffer.

This has been my life. I have found it worth living, and would gladly live it again if the chance were offered me.


Três paixões simples, mas irresistivelmente fortes, governaram a minha vida: o desejo imenso do amor, a procura do conhecimento e a insuportável compaixão pelo sofrimento da humanidade. Tais paixões, como grandes vendavais, levaram-me de um lado para outro, em curso instável, para além de um profundo oceano de angústia, chegando à beira do desespero.

Primeiro busquei o amor, que traz o êxtase - êxtase tão grande que sacrificaria o resto da minha vida por umas poucas horas dessa alegria. Procurei-o, também, porque abranda a solidão - aquela terrível solidão em que uma consciência horrorizada observa, da margem do mundo, o insondável e frio abismo sem vida. Busquei-o, finalmente, porque na união do amor vi, em mística miniatura, a visão prefigurada do paraíso que santos e poetas imaginaram. Eis o que busquei e, embora pudesse parecer bom demais para a vida humana, foi o que encontrei.

Com igual paixão, busquei o conhecimento. Desejei compreender o coração dos homens. Desejei saber por que cintilam as estrelas. E procurei apreender a força pitagórica pela qual o número permanece acima do fluxo dos acontecimentos. Um pouco disso, não muito, encontrei.

Amor e conhecimento, até onde foram possíveis, conduziram-me aos caminhos do paraíso. Mas a compaixão sempre me trouxe de volta à Terra. Ecos de gritos de dor ecoavam em meu coração. Crianças famintas, vítimas torturadas por opressores, velhos desvalidos a constituir um fardo para seus filhos, e todo o mundo de solidão, pobreza e dor, transformaram em arremedo o que a vida humana poderia ser. Anseio por aliviar o mal, mas não posso, e também sofro.

Eis o que tem sido a minha vida. Achei-a digna de ser vivida e, de bom grado, vivê-la-ia de novo se a oportunidade me fosse oferecida.


7 comentários:

Caroll disse...

Happy New Year, Ju!!!!:)

Ricardo Pancho disse...

feliz ano novo pra vc tb...

Natalia disse...

Lindo.... Texto lindo demais.

Ótimo Ano de 2010 pra vc.

Older disse...

Parabéns JUJU, belo texto.
Feliz 2010, que traga muitas vitórias e muito din-din também.
Bjs

Older disse...

E Juju, sim foi eu mesmo quem fiz.
bjs

K. disse...

Um ano novo de muitos sorrisos Jou. E estou torcendo prá gente se ver! Beijos felizes, K.

Daniel disse...

Feliz 2010
Beijos